FAQ

  • O que é pesquisa?

A pesquisa científica é um aprofundamento de determinado tema que o(a) estudante faz, em grupo ou sozinho(a), com tempo e requisitos determinados e com produção científica ao final. A pesquisa científica pode ser institucional, em que há financiamento, normalmente por uma universidade ou fundação, ou particular, quando o(a) pesquisador(a) pesquisa por conta própria.

Há um senso comum de que a pesquisa só é realizada na área das ciências naturais, o que é um equívoco terrível, pois a pesquisa é necessária em qualquer área da ciência, pois sem ela não há aprimoramento. Nas ciências sociais aplicadas, como é o caso do Direito, a pesquisa ganha uma relevância ainda maior, pois as transformações da sociedade exigem uma constante atualização e desenvolvimento das nossas teorias e legislações. As respostas que o Direito exige diariamente apenas podem ser alcançadas através de estudos amplos e profundos sobre a aplicação do Direito e suas teorias na sociedade. Ademais, diante do inchaço da legislação brasileira, é necessário que os(as) juristas também sejam pesquisadores(as) que sistematizem e organizem a aplicação desta, para que seus efeitos sejam eficazes.

Por fim, a pesquisa é, acima de tudo, um importante instrumento para a produção, e não reprodução, de conhecimento, estimulando a atuação dos(as) juristas como interventores(as) na sociedade, e não apenas técnicos(as) aplicadores(as) do Direito.

  • Como pesquisar na FDUFBA?

Há várias formas de fazer pesquisa institucional na UFBA, mas a mais conhecida é o PIBIC, que é o Programa Institucional de Bolsas para Iniciação Científica, voltado para estudantes da graduação. Seu edital é publicado anualmente, e alcança todas as unidades da universidade. Também através do programa Permanecer pode-se receber bolsas para pesquisa. Este programa, no entanto, é voltado para estudantes em situação de vulnerabilidade econômica.

  • O que é extensão universitária?

A extensão universitária é aplicação prática do ensino e da pesquisa, não somente no campo profissional, mas também através de eventos com caráter científico, intervenção em comunidades, grupos de estudo, atividades em associações, como o CEPEJ, etc. Em geral, costumamos entender como extensão somente as atividades que integram a universidade à comunidade, mas o conceito de extensão é bastante amplo, e abarca uma gama variada de atividades acadêmicas. Essas atividades não somente podem ser certificadas como há também bolsas de financiamento na UFBA, como o Permanecer e o programa de ACC’s (Atividade Curricular em Comunidade). Para mais informações, procure-nos através de nossos contatos, ou a Pró-Reitoria de Extensão da UFBA.

  • A partir de qual semestre eu posso pesquisar?

A partir de qualquer semestre, inclusive do primeiro.

  • O que é um Grupo de Pesquisa?

O Grupo de Pesquisa é definido como um conjunto de indivíduos organizados em torno de um ou mais objetos de estudo (linhas de pesquisa). A liderança do grupo ocorre geralmente por um pesquisador, com titulação de doutor e pela existência de estudantes de graduação, pós-graduação ou técnico(s) de nível superior alocado(s) ao grupo.

Os requisitos para a formação de um Grupo de Pesquisa são: a) Orientador com título de doutor e cadastro no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq, como Líder de Grupo, feito pelo Dirigente Institucional de Pesquisa da instituição à qual é vinculado o grupo de pesquisa; b) Linha e Projeto de Pesquisa definidos; c) Membros cadastrados na Plataforma Lattes (com currículo lattes); d) Registro do Grupo de Pesquisa no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq.

Para mais informações e cadastro de grupos de pesquisa, acesse: http://www.cnpq.br/gpesq/apresentacao.htm

  • O que é um Grupo de Estudo?

O Grupo de Estudo, assim como o Grupo de Pesquisa, é definido como um conjunto de indivíduos organizados em torno de um ou mais objetos de estudo (linhas de pesquisa). Diferente do grupo de pesquisa, porém, a liderança do Grupo de Estudo pode ficar a cargo de um professor apenas graduado, pós-graduado, mestre ou doutor, tanto faz.

O Grupo de Estudo, por fim, não conta com as exigências formais para a sua efetivação tal qual o Grupo de Pesquisa. Por outro lado, também não conta com o reconhecimento e status institucional que o Grupo de Pesquisa dispõe por ser cadastrado, formalmente, no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq.

O Grupo de Estudo pode funcionar sem que nenhum requisito seja obrigatoriamente imposto e observado por seus membros, partindo, simplesmente, da iniciativa de um grupo de pessoas que resolveram juntar-se para discutir temas, aprofundar estudos e chegar a conclusões críticas/reflexivas ou desenvolver artigos científicos. Na UFBA, contudo, para compensar o fato de o Grupo de Estudo não poder ser registrado no CNPq e dar às atividades desenvolvidas no âmbito deste grupo – tão relevantes, academicamente, quanto as desenvolvidas no Grupo de Pesquisa – algum
reconhecimento, foram pensadas formas alternativas de registro e certificação.

Na Faculdade de Direito da UFBA, é o NUPEM (Núcleo de Pesquisa e Monografia) que realiza o registro e a certificação dos grupos de estudo, organizados na Faculdade, contando com alunos da graduação regularmente matriculados e orientados por professores de alguma forma vinculados institucionalmente à FDUFBA (inclusive professores substitutos). No NUPEM, os grupos de estudo são registrados como atividade de pesquisa não vinculada à monografia e podem receber certificação de até, no total, 120 (cento e vinte) horas de integração curricular.

  • O que é o CNPQ?

CNPq significa Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e representa uma agência do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) destinada ao fomento da pesquisa científica e tecnológica e à formação de recursos humanos para a pesquisa no país. O CNPq foi criado em 1951, pela Lei n°. 1.310 e sua história está diretamente ligada ao desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil contemporâneo.

O CNPq oferece várias modalidades de bolsas aos alunos do ensino médio, graduação, pósgraduação, recém-doutores e pesquisadores já experientes. As bolsas são divididas em duas categorias principais: bolsas individuais, no país e no exterior, e bolsas por quota. As bolsas individuais são oferecidas de acordo com as várias modalidades disponíveis no quadro do CNPq (informe-se diretamente no site, em razão da quantidade e especificidade dos programas envolvidos).  As bolsas por quota (de Iniciação Científica, de Iniciação Tecnológica, de Mestrado e Doutorado) são oferecidas às instituições de ensino e pesquisa e aos cursos de pós-graduação. Os interessados devem solicitar as bolsas dessas modalidades diretamente às referidas instituições, não ao CNPq.

Outra forma de apoio oferecido pelo CNPq é o auxílio à pesquisa. Entre as várias modalidades de auxílio, há o subsídio a publicações científicas, o apoio à capacitação de pesquisadores por meio de intercâmbios científicos ou da promoção e atendimento a reuniões e congressos científicos.

Alguns exemplos de atividades ligadas ou financiadas pelo CNPQ: Doutorado Sanduíche; PIBIC – Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica; PIBITI – Programa Institucional de Bolsas de Iniciação e Desenvolvimento Tecnológico e Inovação; Iniciação Científica (geral); Pós-Graduação (geral).

Para mais informações, acesse: http://www.cnpq.br/index.htm

  • O que é Currículo Lattes?

A Plataforma Lattes representa a experiência do CNPq na integração de bases de dados de currículos e de instituições da área de ciência e tecnologia em um único Sistema de Informações, cuja importância atual se estende, não só às atividades operacionais de fomento do CNPq, como também às ações de fomento de outras agências federais e estaduais.

O Currículo Lattes é o currículo oficial do pesquisador acadêmico, reunindo uma série de informações que demonstram toda a sua experiência no ambiente acadêmico, desde a mera participação em eventos científicos até o desenvolvimento de projetos de pesquisa, dentre outros. Nas palavras do Prof. Rodolfo Pamplona, é o “orkut acadêmico”, pois permite o acesso às mais diversas informações da vida (acadêmica) do pesquisador.

Para maiores informações e criação do Currículo Lattes, acesse: http://lattes.cnpq.br

  • Como posso fazer parte do CEPEJ?

A seleção para fazer parte do CEPEJ ocorre uma vez por ano, geralmente ao final do mesmo. O edital de seleção é amplamente divulgado, principalmente nos dois murais da instituição. Além disso, qualquer pessoa pode participar do CEPEJ como colaborador, ainda que não conste como membro efetivado da instituição.

Lembrando sempre, é claro, que não é preciso ser parte da instituição para fazer pesquisa na FDUFBA!

  • Onde ficam os murais do CEPEJ?

O CEPEJ conta com dois murais: um situa-se no térreo, próximo à cantina, e o outro situa-se no primeiro andar, próximo ao elevador.